2016 - 17

Instalação: 

estrutura metálica, acrílico e letreiro luminoso (neon), 

540 x 360 x 180 cm 

Fotografias:

Impressão de pigmento mineral sobre papel de algodão

100 x 66,75 cm

1/22

É hoje quase um truísmo afirmar: nunca estivemos mais conectados ao restante do mundo e, no entanto, nunca estivemos tão sós em nossos apartamentos. Temos acesso irrestrito a notícias de personalidades e eventos vindos dos países mais remotos e, ainda assim, ignoramos muitas vezes quem são as pessoas que vivem ao nosso lado. Escutamos os passos de nossos vizinhos de piso, compartilhamos o espaço exíguo do elevador, vamos a reuniões de condomínio, trocamos cumprimentos cordiais pela manhã, mas não sabemos seus nomes.

Pergunte a seus vizinhos é uma obra que aponta para a perda do senso de comunidade nas grandes cidades, através de um dispositivo simples: um letreiro luminoso neon sobre uma estrutura flutuante. A obra aspira a ser percebida de duas formas distintas: quando vista por quem passa na rua durante o dia, ela é apreendida como objeto instalativo, presença física e material; quando vista de longe, pelas janelas dos prédios e casas, durante a noite, ela é uma mensagem luminosa imaterial. 

 

Ao mesmo tempo em que convoca a associação tradicional entre o uso do neon e o comércio de rua nas grandes cidades, a obra descumpre a função básica do letreiro luminoso: ela não vende, não indica, não aponta, não esclarece nada. Ela se endereça diretamente ao público e pede, a quem quer que o esteja observando, que se dirija a seu “vizinho” para inquirir sobre a origem do enigmático objeto. Pede aos visitantes que falem, que dialoguem, que estabeleçam contato com aqueles que se encontram ao seu lado. E, no caso, dos moradores das redondezas, que venham ver a coisa mais de perto.