2018 - 20

 

Políptico fotográfico: 6 impressões em pigmento sobre papel de algodão e metacrilato  (37,5 x 60 cm cada);

 

48 peças em madeira maciça (dimensões variáveis);

 

37 impressões em placas PETG de 0,5mm gravadas a laser (100 x 70 cm cada);

 

Tapete em nylon Antron (Poliamida) de 14 e 17mm, base em polipropileno e latéx (260 x 190 cm);

 

Letreiro luminoso em neon (300 x 15 cm).

1/16

Hy Brazil constitui-se de capturas de tela de computador com os resultados de uma extensa pesquisa feita na internet sobre uma ilha fantasma situada na costa da Irlanda. Chamada Brazil (ou Hy Bressail, O’Brazil, Brazil, Bracil, Bracir, entre outras variantes) muito antes da descoberta do país sul-americano, a ilha esteve presente em praticamente todos os mapas náuticos entre 1325 a 1870. Foi apenas no fim do século 19, após inúmeras tentativas frustradas de encontrá-la, que a cartografia moderna determinou que ela havia sido confundida com um simples rochedo presente naquela região.

 

Nesse meio tempo, Hy Brazil ocupou um lugar privilegiado na imaginação popular, surgindo em diversas narrativas como um lugar maravilhoso, porém inalcançável. Sua presença atestada nos mapas deu origem a diversas teorias sobre a misteriosa ilha e seus habitantes; falou-se tanto de uma civilização avançada, moral e tecnologicamente, quanto do local de origem de povos milenares. Ao apresentar milhares de resultados a respeito de algo que inexiste, a internet aparece como uma ferramenta ideal para a difusão de novas e velhas mitologias, onde persistem, proliferam e florescem os mais primitivos fantasmas do desejo e da imaginação. O projeto é composta de diversas obras:

- Políptico fotográfico: colagem digital feita a partir de capturas de tela com os resultados de uma extensa pesquisa feita na Internet sobre a Ilha do Brasil.

- Madeiras: recortes em Muirapiranga reproduzindo as formas atribuídas à ilha pelo cartógrafos do século 14 ao 19. 

- Neon: reprodução de uma nota manuscrita do cartógrafo Robert Dudley, de 1646-47, que descreve a ilha com os dizeres: “I. Brasil é uma ilha desabitada. É incerto se é amigável ou não”. 

Tapete: reprodução do mapa do cartógrafo Paolo Toscanelli, de 1747, enviado a Cristóvão Colombo a fim de indicar a possibilidade de se chegar às Índias navegando em direção a Oeste. 

- Transparências: impressões dos mapas dos séculos 14 a 19 exibindo diferentes localizações da ilha.